Aço amplia perdas na China; minério de ferro tem 6ª semana de ganhos

Investing

O contrato referencial do vergalhão de aço da China caiu nesta sexta-feira, estendendo as perdas para uma terceira sessão, em meio à demanda sazonalmente lenta pelo material de construção na maior produtora e consumidora de aço do mundo, embora tenha registrado seu primeiro ganho semanal no mês.

Os preços do minério de ferro subiram, mas o volume de negócios diminuiu depois que a bolsa de Dalian, da China, aumentou as taxas da transação para todos os contratos futuros da commodity, a partir de quinta-feira.

O vergalhão para outubro da bolsa de Xangai caiu 0,3% para 4.001 iuanes (582,08 dólares) a tonelada. Subiu 0,2% na última semana.

“Continuamos a captar a fraqueza na atividade manufatureira e de construção, o que deve significar que a demanda por aço ficará sob pressão”, disse o analista da Marex, Hui Heng Tan, em Cingapura.

A demanda por vergalhão na China é geralmente lenta durante os meses de verão, de junho a agosto, quando a alta temperatura e as chuvas contínuas dificultam as atividades de construção.

O contrato de minério de ferro negociado em Dalian, para entrega em setembro, subiu 2,4% para 916 iuanes por tonelada, marcando a sexta semana consecutiva de alta.

A referência de minério de ferro, que bateu o recorde de 924,50 iuanes a tonelada na bolsa, na terça-feira, mais que dobrou de valor neste ano, em meio a cortes de oferta nos principais exportadores (Austrália e do Brasil).

No mercado físico, o preço do minério com 62% de teor de ferro para entrega na China teve leve alta nesta sexta-feira, para 122 dólares a tonelada, ainda pairando perto da máxima de cinco anos e meio, de 126,50 dólares, mostraram dados da consultoria SteelHome.

Porto tem novo Painel Central no Corredor de Exportação

Portos e Navios

O Corredor de Exportação do Porto de Paranaguá opera em novo painel central. A sala de comando, que controla as esteiras que transportam a carga dos armazéns interligados até os carregadores de navio, ficou mais ampla, segura erarejada.
A mudança beneficia diretamente 20 funcionários que atuam em turnos de seis horas para que o serviço não pare, acontecendo 24 horas, todos os dias do ano. Os grupos de trabalho são formados por dois portuários da empresa Portos do Paraná e dois da Associação dos Terminais do Corredor de Exportação de Paranaguá (Atexp).
Segundo o presidente da Portos do Paraná, Luiz Fernando Garcia, a nova sala atende uma demanda antiga dos trabalhadores. “É uma medida de respeito e que visa dar melhores condições de trabalho aos funcionários. Os recordes e bons resultados que alcançamos só são possíveis pelo empenho diário de cada trabalhador”, destaca.
O novo painel fica no piso superior do portão 5, no principal acesso à faixa portuária. Antes da mudança o local passou por adaptações estruturais e tecnológicas. Além de mais acessibilidade, o espaço é mais aberto, claro e arejado. “Com isso reduzimos ao máximo os riscos de acidentes”, disse o chefe da Divisão de Silos, Gilmar Francener.
O antigo painel passará por melhorias, realizadas em parceria com a Associação dos Operadores do Corredor de Exportação do Porto de Paranaguá (Aocep), e o local será usado por funcionários da associação quando houver necessidade, durante operações de embarque de farelo de soja.

Antaq realiza audiência pública na terça-feira sobre arrendamentos

portos e Navios

A Antaq realizará nesta terça-feira (23) audiência presencial no auditório da Empresa Maranhense de Administração Portuária (Emap), localizado no Porto Organizado do Itaqui. A reunião faz parte da Audiência Pública nº 06/2019, que visa obter contribuições, subsídios e sugestões para o aprimoramento das minutas jurídicas e técnicas (edital de licitação, contrato de arrendamento, documentos técnicos e seus respectivos anexos), necessários à realização de certame licitatório.

A reunião terá como assuntos os arrendamentos seguintes arrendamentos:

I – Terminal portuário destinado à movimentação e armazenagem de granéis líquidos combustíveis, localizado no porto organizado do Itaqui, denominado IQI03;

II – Terminal portuário destinado à movimentação e armazenagem de granéis líquidos combustíveis, localizado no porto organizado do Itaqui, denominado IQI11;

III – Terminal portuário destinado à movimentação e armazenagem de granéis líquidos combustíveis, localizado no porto organizado do Itaqui, denominado IQI12; e

IV – Terminal portuário destinado à movimentação e armazenagem de granéis líquidos combustíveis, localizado no porto organizado do Itaqui, denominado IQI13.

A audiência presencial começará às 14h.

Governo deve anunciar corte de R$ 2,5 bi no orçamento nesta segunda

VEJA

Um novo corte no Orçamento de 2019 do governo federal está previsto para esta segunda-feira 22, quando será divulgado o relatório bimestral de receitas e despesas, pelo secretário especial de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues, às 14h40 (de Brasília).

No último sábado, o presidente Jair Bolsonaro antecipou a informação em conversa com jornalistas, quando classificou o valor como uma “merreca” e afirmou que apenas um ministério será atingido – sem, no entanto, revelar o nome da pasta.

“Queremos evitar que o governo pare, dado que o nosso Orçamento é completamente comprometido. Deve ter um novo corte agora. O que deve acontecer é um novo corte de 2,5 bilhões de reais. Uma merreca. Concorda que é uma merreca perto de um orçamento trilionário nosso? É pouca coisa”, disse o presidente a jornalistas.

Ainda segundo Bolsonaro, a equipe econômica cortará o Orçamento de um único ministério, e não de vários. “Ao invés de cortar de seis ou sete ministérios, e todo mundo morrer praticamente, vamos matar um ministério só”, justificou.

Um contingenciamento de 30 bilhões de reais foi sido anunciado em março com o objetivo de assegurar o cumprimento da meta de déficit primário deste ano, estipulada em 139 bilhões de reais para o governo central (Tesouro Nacional, Banco Central e Previdência).

Em maio, o governo optou por queimar boa parte da sua reserva de emergência, diminuindo-a de 5,373 bilhões de reais para 1,562 bilhão de reais, para não recorrer novamente ao expediente de congelamento de gastos, em meio à forte restrição já experimentada pelas pastas na Esplanada.

Governadores do Nordeste repudiam fala de Bolsonaro

Poder 360

Os nove governadores do Nordeste divulgaram na noite dessa 6ª feira (19.jul.2o19) uma carta repudiando uma fala do presidente Jair Bolsonaro indicando intenção de retaliar o governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB). A afirmação foi captada em vídeo pela TV Brasil e viralizou nas redes sociais.

O registro foi feito na manhã de 6ª feira, pouco antes do início de um café da manhã com jornalistas da imprensa estrangeira no Palácio do Planalto, em Brasília. Enquanto os convidados se sentavam à mesa, Bolsonaro, sem perceber que seu microfone estava ligado, parece dizer ao ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni: “Daqueles governadores de ‘paraíba’, o pior é o do Maranhão. Tem que ter nada com (ou para) esse cara“.

Naquele mesmo evento, Bolsonaro fez outras declarações controversas, dizendo que “falar que se passa fome no Brasil é uma grande mentira” e usou informações falsas sobre a jornalista Míriam Leitão, ao comentar o fato de ela ter sido impedida de participar de uma feira do livro em Jaraguá do Sul, em Santa Catarina, devido a ameaças e ataques lançados por militantes bolsonaristas nas redes sociais.

Flávio Dino postou o vídeo contendo o comentário vazado e criticou o presidente da República, afirmando que ele não pode “determinar perseguição” contra um Estado Federal e ressaltando que Bolsonaro “parece chamar todos os nordestinos de ‘paraíba‘”.  Dino acrescentou, ainda, no Twitter: “Lamento e espero explicações, pois isso é realmente inédito e incompatível com a Constituição“.

Tweet de Flávio Dino repudia fala de Jair Bolsonaro sobre o NordesteReprodução/Twitter/@FlavioDino

O governador da Bahia, Rui Costa (PT), divulgou a íntegra da carta dos governadores nordestinos em sua conta no Twitter. “Nós governadores do #Nordeste recebemos com espanto e profunda indignação a declaração do presidente da República transmitindo orientações de retaliação a governos estaduais. Aguardamos esclarecimentos e reiteramos nossa defesa da Federação e da democracia”, diz o texto.

Os governadores afirmam, na carta, que sempre buscam “manter produtiva relação institucional com o governo federal” e frisam que “o princípio federativo exige que os governos mantenham diálogo e convergências, a fim de que metas administrativas sejam concretizadas visando sempre melhorar a vida da população”.

O documento é assinado, além de Flávio Dino e Rui Costa, por Renan Filho (MDB-AL), Camilo Santana (PT-CE), João Azevêdo (PSB-PB), Paulo Câmara (PSB-PE), Wellington Dias (PT-PI), Fátima Bezerra (PT-RN) e Belivaldo Chagas (PSD-SE).

A assessoria de imprensa do Palácio do Planalto informou que não comentará a carta dos governadores.

Leia na íntegra a carta:

9 de julho de 2019

Nós governadores do Nordeste, em respeito à Constituição e à democracia, sempre buscamos manter produtiva relação institucional com o Governo Federal. Independentemente de normais diferenças políticas, o princípio federativo exige que os governos mantenham diálogo e convergências, a fim de que metas administrativas sejam concretizadas visando sempre melhorar a vida da população.

Recebemos com espanto e profunda indignação a declaração do presidente da República transmitindo orientações de retaliação a governos estaduais, durante encontro com a imprensa internacional. Aguardamos esclarecimentos por parte da presidência da República e reiteramos nossa defesa da Federação e da democracia.

Bolsonaro se explica sobre fala a governadores do Nordeste

Poder 360

O presidente Jair Bolsonaro voltou a falar a respeito do episódio em que comentou sobre governadores nordestinos.

Pelo Twitter, tentou esclarecer: “Daqueles GOVERNADORES… o pior é o do Maranhão. Foi o que falei reservadamente para um ministro.

Reprodução/Twitter/@jairbolsonaro

Bolsonaro fez o comentário em café com jornalista na manhã de 6ª feira. O encontro foi voltado para veículos da mídia internacional.

No sábado (20.jul), o presidente foi criticado por políticos e famosos por causa da declaração.

A hashtag #OrgulhodoNordeste foi 1 dos assuntos mais comentados do Twitter, com mais de 58.000  publicações.

No Palácio do Alvorada, à tarde, em entrevista à imprensa, Bolsonaro disse que a imprensa distorce suas declarações e sente falta do PT.

“Eu fiz uma crítica ao governador do Maranhão e da Paraíba, vivem me esculhambando, obras federais vão pra lá e eles dizem que são deles, não é deles, é do povo. Uma crítica aos governadores, nada mais além isso. Uma crítica em 3 segundos, hein? Em 3 segundos vocês da mídia fazem uma festa”, falou.

Bolsonaro diz que pode avaliar redução na multa do FGTS no futuro

Poder 360

O presidente Jair Bolsonaro disse neste domingo (21.jul.2019) que pode avaliar, no futuro, a redução da multa de 40% do saldo do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) paga a trabalhadores que são demitidos sem justa causa. O militar ressaltou que a mudança não será considerada neste momento.

“O valor não está Constituição Federal. O FGTS está no artigo sétimo. Eu acho que o valor é uma lei. Vamos pensar lá na frente”, disse ao chegar a 1 restaurante de galetos, onde almoçou com a primeira-dama Michelle Bolsonaro.

“Eu não quero manchete amanhã: ‘o presidente está estudando reduzir o valor da multa’. O que eu estou tentando levar para o trabalhador é o seguinte: menos direitos e emprego. Todos os direitos e desemprego”, afirmou.

Na 6ª feira (19.jul), o presidente criticou a criação da multa e afirmou que o pagamento prejudica os próprios trabalhadores a conseguirem empregos. Segundo o presidente, “é quase impossível ser patrão no Brasil”.

“Olha só, especialmente os 40%, foi quando o Dornelles era ministro do Fernando Henrique Cardoso, quando ele aumentou a multa para evitar demissão. O que aconteceu depois disso? O pessoal não emprega mais por causa da multa”, afirmou.

Pela Constituição de 1988, em caso de demissão sem justa causa, a empresa deve pagar 1 adicional de 40% sobre o valor do saldo da conta do FGTS do empregado. Por esse motivo, a alteração no percentual precisaria ser feita por meio de uma lei complementar –que requer o voto da maioria absoluta dos congressistas na Câmara e no Senado.

A discussão sobre o valor da multa acontece às vésperas do anúncio de 1 pacote de medidas pela equipe econômica. Na próxima 4ª feira (24.jul), o governo deve apresentar as regras para flexibilização dos saques dos recursos das contas do FGTS e PIS/Pasep. Essa é uma das medidas estudadas pelo governo para estimular a economia brasileira, que caminha em ritmo lento.

“É algo paliativo? É. É aquela vitamina que toma agora porque o ano está acabando você pode ver a sinalização da Previdência com placar alto no 1º turno já faz a bolsa se estabilizar acima de 100 mil pontos”, disse.

O ministro Paulo Guedes (Economia) afirmou que o saque só do FGTS pode injetar R$ 42 bilhões na economia. O valor, no entanto, deve ser menor devido às negociações com o setor imobiliário. A liberação do PIS/Pasep, segundo projeções do governo, deve trazer “mais R$ 21 bilhões”.

RÊGO BARROS: ‘TEM FEITO 1 BOM PAPEL’

Questionado sobre as críticas do deputado federal Marco Feliciano (Pode-SP) contra o porta-voz da Presidência, o general Otávio de Rêgo Barros, Bolsonaro disse que o militar tem feito “1 bom papel” no governo. No sábado (20.jul), o congressista chamou o militar de “incompetente ou mal-intencionado“.

“Rêgo Barros está fazendo 1 bom papel no governo. Já tinha essa atividade no exército. É uma pessoa que tem tratado com muito zelo e preocupação Me ajudou a convencer com esses cafés [com jornalistas]”, disse.

De acordo com Feliciano, o porta-voz expõe o presidente à imprensa e criticou os encontros com a imprensa. O vereador do Rio de Janeiro e filho do presidente, Carlos Bolsonaro (PSC) também já se posicionou contra os cafés. Disse que “absolutamente tudo que [Bolsonaro] diz é tirado do contexto para prejudicá-lo”.

CULTO NA SARA NOSSA TERRA

Na manhã deste domingo (21.jul), o presidente recebeu os ministros Onyx Lorenzoni (Casa Civil), Augusto Heleno (Segurança Institucional) e o general Ramos (Secretaria de Governo) no Palácio da Alvorada. Logo depois, deixou a residência oficial para participar de 1 culto na igreja Sara Nossa Terra.

Durante a cerimônia, o presidente afirmou que a solidão sentida por estar em 1 cargo no governo, como dita por diversas autoridades, é devida a “a uma deslealdade com o povo brasileiro” e afastamento de Deus. Assista ao vídeo:

A nova ameaça dos caminhoneiros

Diário de Pernambuco

Circulam em grupos de WhatsApp de caminhoneiros supostos áudios do ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, dizendo que vai tentar suspender a tabela do frete divulgada na última quinta-feira pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). Desde sexta, inúmeros caminhoneiros se reuniram em grupos diversos de WhatsApp para discutir a possibilidade de uma nova paralisação das estradas hoje. A parada seria uma reação à resolução da ANTT, que estipulou preços mínimos do frete rodoviário com valores abaixo do esperado pela categoria. Um dos áudios atribuídos a Tarcísio de Freitas mostra o ministro dizendo a uma das lideranças que quer “resolver a situação” e admitindo erro.“Oi, Cesar, boa noite, obrigado pelas palavras. A gente está querendo resolver a situação. Saiu a tabela e ela desagradou a categoria. A gente tem o nosso limite. A gente erra também. Nós somos humanos. A gente está admitindo isso com muita humildade e estamos dispostos aí a conversar com a categoria”, diz um trecho. “Então, a gente vai tentar tirar aí, suspender a vigência dessa tabela por enquanto, até que a gente possa construir com a categoria soluções, procurar construir o consenso, o diálogo. Então, nós vamos voltar a dialogar. E eu devo… então, vou tentar tirar essa tabela do ar aí entre segunda e terça-feira para que a gente converse num ambiente de mais tranquilidade”, diz a voz no áudio.Pelo conteúdo, não é possível identificar quem é o interlocutor do ministro. A assessoria de imprensa do Ministério da Infraestrutura não nega que o áudio seja de Tarcísio, mas disse que não pode atestar a veracidade. O ministro não foi localizado, segundo a assessoria.Um dos líderes da categoria, Wanderlei Alvez, o Dedeco, que ganhou notoriedade na paralisação de maio de 2018, disse que falou com o ministro por telefone e que recebeu dele uma confirmação de que a tabela seria suspensa devido à reação dos caminhoneiros. O líder afirma que não faz parte dos grupos de WhatsApp que estão ameaçando o novo protesto. Dedeco disse que ouviu do ministro a promessa de que a resolução será suspensa em Diário Oficial amanhã. 

Compra de corvetas para no TCU

Diário de Pernambuco

Trabalhadores da indústria metalúrgica de Pernambuco apresentaram denúncia ao Tribunal de Contas da União (TCU) contra o resultado da concorrência internacional conduzida pela Marinha com a Emgeprom, estatal ligada ao Ministério da Defesa. A seleção, vencida pelo consórcio Águas Azuis, visava a construção de quatro corvetas classe Tamandaré (CCT), navios-escolta, com previsão de entrega entre 2024 e 2028, conforme anunciou a Marinha em 28 de março. O projeto tem valor estimado em R$ 5,5 bilhões.O Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Metalúrgicas, Mecânica e de Material Elétrico de Pernambuco pede ação cautelar para cancelar a assinatura do contato com o consórcio liderado pelo grupo alemão ThyssenKrupp Marine Systems, a Embraer e a Atech. Segundo o TCU, o processo é sigiloso e está na fase de instrução.O ofício protocolado pelo Sindicato no tribunal alega que o resultado do processo de seleção fere princípios de idoneidade, moralidade, economicidade, eficiência, transparência e impessoalidade. O Sindicato acusa a concorrência de ter sido direcionada. Com relação à idoneidade e moralidade, o sindicato afirma que os negócios da ThyssenKrupp estão sendo investigados na Alemanha e em Israel, e os da Embraer, em processos na República Dominicana, na Índia e nos Estados Unidos. Além disso, o estaleiro Oceania, localizado em Itajaí-SC, onde serão construídos os navios, pertence ao grupo CBO, do qual 20% das ações pertencem à BNDES-Par, subsidiária do BNDES e responsável por classificar o conteúdo nacional da proposta – requisito do edital – o que configuraria conflito de interesses, segundo a representação.Sobre economicidade e eficiência, o documento alega que a ThyssenKrupp está à venda, portanto, se desfez de estaleiros próprios em vários países, o que acarretaria insegurança jurídica, e entraria em choque com as condições do RFP, segundo o qual teria prioridade a proposta que oferecesse menor risco. A proposta vencedora cobrará royalties para a construção de navios adicionais.Sobre transparência e impessoalidade, o ofício alega que a oferta de preço apresentada pelo Consórcio Águas Azuis é referencial e não está fechado, o que “afronta totalmente o instrumento convocatório e a isonomia, ao passo em que dá margem a superfaturamentos e aditivos contratuais”. O documento também reclama de falta de transparência na divulgação da composição dos pontos efetuados pela proposta.