Arquivo do Autor: admin

Forte retração do consumo de bens industriais

Editorial Estadão

O consumo aparente de bens industriais cresceu 0,7% no primeiro trimestre de 2020 na comparação com um ano antes. Esse resultado mostra um efeito ainda discreto da pandemia da covid-19, que só nas duas ou três últimas semanas do período considerado passou a afetar de modo sensível a atividade econômica e a vida dos brasileiros. Na comparação dos 12 meses encerrados em março com o período anterior, o desempenho é semelhante, com crescimento de 0,2%, variação positiva, mas modesta para um setor que passou por séria crise em boa parte dos últimos anos.

Esses números, aferidos pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e publicados em sua mais recente Carta de Conjuntura, certamente serão bem mais sombrios nas próximas pesquisas.

Já em março o consumo aparente (soma da produção industrial destinada ao mercado interno com as importações) mostrava o forte impacto da pandemia sobre as compras internas de produtos industriais. O consumo aparente de bens originários da indústria extrativa mineral teve queda de 7,4% em relação a fevereiro e o dos produtos da indústria de transformação mostrou redução de 12,4% em relação ao mês anterior.

No estudo do Ipea, é impressionante a queda em março em alguns setores da indústria de transformação. O consumo de veículos automotores, reboques e carrocerias caiu 34,3% em relação a fevereiro; o de máquinas e equipamentos, 24,5%; o de artigos do vestuário e acessórios, 32,1%; e o de móveis e produtos diversos, 19,0%.

Mesmo itens cujas vendas aparentavam ter explodido logo após o anúncio de medidas mais rigorosas de enfrentamento da pandemia registraram queda de demanda. São os casos de alimentos, cujo consumo aparente caiu 2,2%, e de produtos farmoquímicos e farmacêuticos, com queda de 5,2%.

A extensão do isolamento social em abril – com forte efeito sobre a atividade produtiva, as vendas do comércio, o nível de emprego e a renda das famílias – deve ter afetado os resultados daquele e dos meses seguintes. Isso poderá ficar mais claro à medida que os dados conjunturais compilados por diferentes instituições de pesquisa forem sendo divulgados. A queda da produção da indústria automobilística, de 99,3% em abril em relação à de um ano antes, antecipa alguns desses números.

Mais um navio fica de quarentena no Porto de Suape após tripulante testar positivo para Covid-19

G1

A administração do Porto de Suape divulgou, neste domingo (24), que um novo navio entrou em quarentena após um tripulante realizar um teste rápido, que deu positivo para Covid-19. A primeira embarcação, que estava retida desde 15 de maio, deixou o porto nesta madrugada, após ser liberada pela Agência de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Suape informou que essa segunda embarcação trata-se de um conteineiro com 21 tripulantes, que chegou ao porto no sábado (23). A equipe médica a bordo realizou o teste rápido para a doença em um tripulante e o resultado foi positivo, segundo a administração. Com isso, foi iniciado o protocolo de quarentena.

O conteineiro chegou para descarregar 199 contêineres vindos do Porto de Manaus (AM), sua última parada, e embarcar outros 152. Uma equipe da Anvisa realizou inspeção sanitária no navio e verificou que os demais tripulantes não estão com sinais da doença.

A embarcação ficará retida por 14 dias no Cais 1 do Porto de Suape, local definido para atracação em casos de Covid-19, sem prejudicar a operação portuária. Assim como no primeiro caso, não houve embarque ou desembarque de tripulação, nem contato com os trabalhadores portuários locais.

O tripulante, um homem de 42 anos, estava isolado em sua cabine no navio desde o dia 16 de maio, quando apresentou quadro de tosse, mas sem febre ou outro sintoma relacionado à Covid-19, segundo Suape. No mesmo dia, a equipe médica de bordo fez um teste rápido, cujo resultado foi negativo.

Naquela ocasião, o caso não se enquadrava como suspeito de acordo com os protocolos da Anvisa. Entretanto, o tripulante foi mantido em isolamento e, mesmo com a remissão do único sintoma apresentado (tosse), o teste foi repetido após sete dias, no dia 23, quando deu resultado positivo.

Segundo Suape, o homem segue em isolamento, estável, assintomático e será monitorado pela Anvisa. O navio só poderá operar após terminar o período da quarenta e se nenhuma outra pessoa apresentar suspeita da doença.

Primeiro navio

Embarcação deixa o Porto de Suape neste domingo (24) — Foto: Francisco de Assis/Suape

Embarcação deixa o Porto de Suape neste domingo (24) — Foto: Francisco de Assis/Suape

A embarcação, que atracou no dia 11 de maio, foi liberada pela Anvisa após constatação de que os demais 25 tripulantes não manifestaram sinais da doença, segundo a administração de Suape.

De acordo com o Porto de Suape, o navio veio do Terminal de Madre de Deus, na Bahia, para receber óleo combustível para exportação, através de transbordo com outras embarcações. No dia 15 de maio, um tripulante de 46 anos testou positivo para a doença causada pelo novo coronavírus e permaneceu isolado, dentro de sua cabine no navio, sendo medicado e monitorado.

A administração do porto informou que o homem tinha estado de saúde considerado estável e assintomático, sendo liberado pela Anvisa para cumprir o fim da quarentena em sua residência. Este foi o primeiro caso confirmado no Porto de Suape (veja vídeo abaixo).

Navio está em quarentena no Porto de Suape após tripulante testar positivo para Covid-19

00:00/00:41

Navio está em quarentena no Porto de Suape após tripulante testar positivo para Covid-19

Barreira sanitária

Ainda de acordo com o Porto de Suape, foi ativado um Plano de Contingência e Emergência em Saúde Pública, montado para dar resposta a situações relacionadas a casos de doenças infectocontagiosas, com uma barreira sanitária instalada no local.

A barreira sanitária prevê que os técnicos envolvidos na investigação se higienizem e descartem os equipamentos de proteção individual utilizados a bordo. Caso seja preciso fazer alguma remoção a algum hospital, há uma ambulância no porto, com equipe especializada, que se mantém de plantão.

“Toda a movimentação vem sendo monitorada e, antes de atracar, as embarcações precisam de autorização da Anvisa, órgão responsável por conceder a livre prática aos navios, ou seja, a anuência para que o navio possa entrar no porto e operar, checando e atestando as condições sanitárias e de saúde do ambiente e dos tripulantes a bordo, por meio da Declaração Marítima de Saúde preenchida pelo comandante”, disse o porto, por meio de nota.

Silver Shadow

Este foi o terceiro navio a ser retido no estado, desde o início da pandemia de coronavírus. O primeiro foi o cruzeiro Silver Shadow, que ficou 14 dias de quarentena no Porto do Recife depois que um turista canadense de 79 anos passou mal e teve confirmação para a doença. A embarcação foi retida dia 12 de março e o turista morreu no dia 26 do mesmo mês.

Coronavírus em Pernambuco

Pernambuco confirmou, no sábado (23), mais 1.026 pacientes com o novo coronavírus e 87 mortes. Com isso, o estado contabilizou, ao todo, 26.786 casos já confirmados da Covid-19 e 2.144 óbitos relacionados à doença, desde que foram registrados os primeiros casos, em março. Do total de casos, 6.201 são profissionais de saúde.

Para economistas, crise causada pela pandemia deve levar a alta de impostos

UOL

Com a redução da atividade econômica e o aumento dos gastos públicos para amenizar os efeitos da quarentena, o endividamento bruto brasileiro deverá passar dos 76% do Produto Interno Bruto (PIB), registrados no fim de 2019, para algo entre 92% e 96% neste ano. Apesar de quase não haver dúvidas entre os economistas de que, agora, o governo precisa gastar, há preocupações com o impacto do aumento da dívida no futuro da economia.

Para alguns analistas, o aumento dos gastos públicos e a queda do PIB neste ano devem tornar praticamente inevitável uma alta nos impostos no futuro. “Mas isso terá de ser feito de forma muita bem pensada e temporária”, destaca a economista Silvia Matos, coordenadora do Boletim Macro do Instituto Brasileiro de Economia (FGV Ibre). Ela não vê espaço para um ajuste fiscal draconiano a partir do próximo ano. Dado o tamanho da crise, diz, o crescimento continuará fraco em 2021 e, portanto, não será fácil fazer cortes.

O economista-chefe da MB Associados, Sergio Vale, também acredita que um aumento de impostos será necessário, e diz que possivelmente ele ocorrerá na alíquota do Imposto de Renda. “Uma parte desse ajuste vai ter de passar por um aumento de imposto, possivelmente de renda, de quem é CLT. Talvez aumentar a alíquota máxima de 27,5% para 35%, por exemplo, e aumentar o imposto também das pessoas jurídicas.”

Vale aponta ainda que serão necessárias outras medidas extraordinárias para reduzir o endividamento, como o uso de reservas internacionais para financiar gastos, uma reforma administrativa severa e um programa de privatizações robusto. “Isso daria um sinal de que o governo está realmente interessado em reformas, o que será muito difícil de acontecer no governo Bolsonaro.

Aparentemente, ninguém do governo está pensando no pós-crise. As medidas (futuras) serão duras e difíceis de passar no Congresso. Bolsonaro entrou, não conseguiu fazer nada até agora e está afundando (o País) cada vez mais”, afirma.

A necessidade de aumento de impostos é levantada também pelo economista Luiz Carlos Mendonça de Barros, ex-presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico (BNDES). Para ele, no entanto, esse incremento não deverá ocorrer no Imposto de Renda, pois a classe média já está muito pressionada.

“A primeira coisa que vai sair é tributação de dividendos pago pelas empresas. Uma tributação maior para bancos também vai ser necessária e, talvez, algum tipo de contribuição sobre movimentação financeira”, diz.

TCP tem maior movimentação do ano

A TCP – empresa que administra o Terminal de Contêineres de Paranaguá, registrou um novo recorde com 85.926 TEUs de cargas movimentadas no mês de abril. A marca representa crescimento de 18% em relação ao mês de março de 2020 e de 14% em relação à movimentação registrada em abril de 2019. O recorde anterior foi registrado em janeiro de 2020, com 84.601 TEUs movimentados.

O crescimento deve-se, principalmente, ao reposicionamento estratégico da TCP perante os armadores com foco em apoio mútuo e geração de benefícios através de sinergias entre as operações marítimas e logísticas, aumentando assim a atratividade aos exportadores e importadores. Esse formato incrementa o volume das operações cativas e converte volumes de outros portos. Além disso, a oferta de linhas marítimas também foi ampliada.

“Em 2020 tivemos o retorno da linha direta da Costa Leste dos Estados Unidos, somado ao aumento das capacidades nas soluções intermodais. Com isso abrimos a possibilidade para que nossos clientes utilizem o nosso terminal de modo ainda mais competitivo”, explica Thomas Lima, vice-diretor Comercial da empresa.Publicidade

Na comparação com o ano anterior, os segmentos que mais cresceram foram: o agronegócio (+44%), especialmente com o mercado de fertilizantes; papel e celulose (+27%); carnes e congelados (+16%); e, madeira (+15%). A previsão de crescimento da movimentação total no ano de 2020 é de 4%.

VANTAGENS

Thomas Lima destaca que as operações dedicadas aos importadores e exportadores são vantajosas via TCP, já que a empresa possui o maior número de linhas marítimas regulares do país, além de dispor de soluções exclusivas – como por exemplo a conexão direta com a ferrovia. “Em parceria com a Brado e com os armadores, a TCP oferece uma série de serviços logísticos que tornam o Porto de Paranaguá mais atraente em termos de eficiência e custos. Um dos exemplos, é o casamento entre importações e exportações na ferrovia, otimizando as logísticas e por consequência reduzindo os custos dos nossos clientes”.

Além disso, o Terminal também oferece sete dias livres de armazenagem na exportação, 10 dias livres na importação e conta com o a maior estrutura para cargas refrigeradas da América Latina, com 3.624 tomadas. “Outro fator relevante é a atuação dos órgãos intervenientes dentro da TCP, o que dá mais agilidade e segurança nos processos de liberação de cargas”, finaliza.

Abratec aponta judicialização como risco a investimentos em infraestrutura de terminais de contêineres

Portos e Navios

A construção de uma pera ferroviária, com o objetivo de ampliar o fluxo de granéis sólidos no porto de Santos, está sub judice. A iniciativa está inserida no Plano de Zoneamento e Desenvolvimento do Porto de Santos, que integra o Plano Mestre para a região, já aprovado. No entanto, a Marimex, empresa responsável pelo arrendamento da área, obteve uma extensão liminar com vistas à prorrogação do contrato. A questão está na Justiça.

“É importante, nesse momento, ter atenção à importância das políticas públicas para que seja possível gerar mais empregos com o fortalecimento das vias ferroviárias para a melhoria de gargalos logísticos históricos na região de Santos”, diz Sérgio Salomão, presidente executivo da Abratec – Associação Brasileira de Terminais de Contêineres.

Com o projeto da pera ferroviária, as operações de carga e descarga de mercadorias propiciam o aumento da movimentação de atuais 5,5 milhões de toneladas para 20 milhões de toneladas de granéis sólidos após a conclusão das obras.Publicidade

Marintec Navalshore

Leia também
Empresa e governo brigam na Justiça por área no porto de Santos
Empresa consegue liminar para prorrogar temporariamente concessão portuária em Santos

A Abratec destaca em nota que os investimentos realizados nos mais modernos terminais portuários foram responsáveis por sustentar resultados de peso mesmo em um cenário de pandemia.

O Brasil registrou um superávit comercial marítimo de 19,7 bilhões de dólares entre janeiro e abril desse ano, montante 15% maior que o registrado no mesmo período do ano anterior, de acordo com a Associação dos Terminais Portuários (ATP). Os bons números também foram refletidos no Porto de Santos, que fechou abril com 13,4 milhões de toneladas de carga movimentadas, número 5% superior ao recorde anterior, de outubro de 2019, e 26,8% maior que o registrado em 2019, segundo a Santos Port Authority.

“Para manter essa tendência de crescimento, marcada pela atuação de excelência do setor privado, as empresas precisam sentir confiança em um ambiente regulatório estável, para garantir seus investimentos futuros”, finaliza Sérgio Salomão.

Porto de Santos tem novo arrendatário na Ilha Barnabé

Portos e Navios

A Santos Port Authority (SPA) assinou o contrato de arrendamento do terminal STS 13A com a empresa Adonai East, do grupo Aba Infraestrutura e Logística S/A, dando uso operacional para mais uma área no Porto de Santos. Localizado na Ilha Barnabé, margem esquerda do complexo portuário, o STS 13A foi arrematado pela Aba em leilão realizado em agosto de 2019, na B3, em São Paulo, com um lance de R$ 35 milhões. A outorga irá para o Tesouro da seguinte forma: 25% na assinatura e mais cinco parcelas anuais.

A empresa ganhou o direito de explorar o ativo para armazenar e movimentar granéis líquidos pelo prazo de 25 anos, contados a partir da assunção da área. O contrato foi assinado na terça-feira (19) e o extrato foi publicado no Diário Oficial da União (DOU) nesta sexta-feira (22). Também assinam o contrato de arrendamento o Ministério da Infraestrutura (Minfra) e a Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq).

“São quase oito anos sem uso de uma área nobre no Porto de Santos e importante para o mercado nacional de combustíveis. A gestão alinhada da SPA, do Ministério da Infraestrutura e da Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq) permitiu a realização de um leilão bem-sucedido cujo contrato de arrendamento dará mais competitividade e eficiência ao setor, gerando receita para o Porto e emprego e renda para a região”, afirma o presidente da SPA, Fernando Biral.Publicidade

A área conta com 38,4 mil metros quadrados e estava sem operação desde 2012, após o fim do contrato com o antigo arrendatário. A empresa pagará à SPA o valor de R$ 158,5 mil mensais de arrendamento fixo e R$ 4,15 por tonelada de carga movimentada de arrendamento variável. A nova área deverá ter, segundo o contrato, capacidade estática mínima de 70,5 mil metros cúbicos. Os investimentos estimados a serem feitos pela empresa somam aproximadamente R$ 111 milhões.

A Aba já atua em Santos com outros dois terminais. É arrendatária do terminal Adonai, também na Ilha Barnabé, destinado à movimentação a líquidos, e do Concais (passageiros).

Guedes acena para plano de parcelamento de impostos para alívio de empresas

Poder 360

Paulo Guedes, ministro da Economia, pretende criar um plano de parcelamento de impostos que estão com pagamento adiado durante a pandemia da covid-19. O programa seria voltado para empresas, com a finalidade de evitar o acúmulo repentino de tributos ao fim da crise do coronavírus, momento de vulnerabilidade econômica.

De acordo com a Folha de S. Paulo, a medida ainda está em fase de estudo. O ministro estaria evitando falar publicamente sobre o assunto para evitar mais pressão e tumulto.

Pagamentos adiados

O Ministério da Economia adiou o pagamento de tributos de maio, junho e julho de 2020. Com a medida, a Receita Federal adiou o recebimento de R$ 9,59 bilhões para agosto, outubro e dezembro. A exemplo do PIS/Pasep e da Cofins, o adiamento determinado pelo governo federal reduzirá a arrecadação em R$ 80 bilhões nos próximos 4 meses.

Guedes também acena para a possibilidade de nova prorrogação dos pagamentos, considerando ainda a suspensão completa das cobranças de impostos.

Impacto econômico

Em abril foi registrado queda de 30% – descontada inflação – na receita em comparação ao mesmo mês do ano anterior. O enfraquecimento do ritmo de arrecadação aumenta a previsão de déficit, até o momento estimado em R$ 700 bilhões.

Caso as medidas se estendam para 2021, como uma suspensão do IOF ou um novo adiamento de impostos, haverá um rombo nas contas públicas de 2020.

José Barroso Tostes Neto,  secretário especial da Receita Federal, disse que as medidas de flexibilização anunciadas às empresas foram feitas sem restrições, como o adiamento dos tributos para todos os setores. Ele avalia que a retomada das operações não será linear e que os setores impedidos de funcionar durante a pandemia sofrerão mais perdas.

Focaremos nossa análise e nossas decisões de forma setorial. Até então, as medidas foram adotadas de forma ampla e geral. Com a possibilidade de retorno selecionado, avaliaremos a necessidade ou não de medidas específicas conforme cada setor”, afirmou.

EUA proíbem entrada de viajantes vindos do Brasil

Poder 360

O governo dos Estados Unidos anunciou neste domingo (24.mai.2020) a proibição à entrada no país de viajantes vindos do Brasil. A medida foi assinada pelo presidente Donald TrumpEis a íntegra, em inglês (37 KB).

Ficam proibidos de entrar no território norte-americano os brasileiros e não-americanos que estiveram no Brasil de 8 de maio até a data da assinatura da proclamação. Não há prazo definido para o fim da proibição. Há exceções para norte-americanos, cônjuges e filhos de norte-americanos.

De acordo com a Casa Branca, a medida não impacta o comércio entre os 2 países. A justificativa dos norte-americanos para a decisão é a tentativa de reduzir a transmissão da covid-19 no país.

Até a publicação desta reportagem, os EUA contabilizavam 1,7 milhão de casos de covid-19. Já o Brasil tinha 347,4 mil infectados pelo novo coronavírus, de acordo com o balanço mais recente divulgado pelo Ministério da Saúde. O país se tornou o 2º no mundo com mais casos de covid-19, atrás apenas dos Estados Unidos.

“Esperamos que seja temporário, mas, devido à situação no Brasil, tomaremos todas as medidas necessárias para proteger o povo americano”, afirmou O’Brien

O presidente Donald Trump havia dito na 3ª feira (19.mai) que estava considerando impor uma proibição a viagens para passageiros provenientes do Brasil. Em entrevista na Casa Branca, Trump disse: “Não quero pessoas vindo para cá e infectando nosso povo. Também não quero que as pessoas fiquem doentes por lá. Estamos ajudando o Brasil com respiradores… O Brasil está tendo problemas, não há dúvida sobre isso”.

A decisão de vetar a entrada de brasileiros se deu no mesmo dia em que o chanceler brasileiro, Ernesto Araújo, festejou no Twitter a “ótima cooperação” entre os 2 países no combate à covid-19.

Ernesto celebrou em seu perfil no microblog a doação de 1.000 respiradores para o Brasil. O ministro das Relações Exteriores explica que foi uma determinação de Donald Trump.

O’Brien disse que os Estados Unidos analisarão as restrições para outros países do hemisfério Sul, país a país.

Trump suspendeu a entrada da maioria dos viajantes da China, onde o surto começou, em janeiro. No início de março, ele impôs restrições de viagem a pessoas vindas da Europa.

MRN comemora um ano sem acidentes com afastamento

Abal

No distrito de Porto Trombetas, no município de Oriximiná, no Oeste do Pará, a Mineração Rio do Nortes (MRN) celebra dupla conquista com seus empregados. A empresa completou um ano sem acidente com afastamento, totalizando 10.406.755 horas/homens trabalhadas e também cinco meses sem acidente reportável, totalizando 4.439.907 horas/homens trabalhadas.

“O engajamento e a demonstração de uma preocupação visível com a segurança reforçam este compromisso focado na excelência e o desejo que todos os empregados apresentem uma cultura sólida em segurança, mantendo comportamentos alinhados com essas normas mesmo fora do ambiente de trabalho. Neste sentido, os empregados dispõem de plenos poderes para intervir nos processos e atividades, estimulando os colegas a não se expor ao risco, reafirmando diariamente o compromisso com nosso lema Se não for seguro, torne seguro”, destaca Antônio Moura, gerente de Segurança no Trabalho da MRN.

A MRN também concentrou o trabalho nas lideranças da Companhia e de empresas contratadas com treinamentos teórico e prático na ferramenta. Na parte teórica, as pessoas são levadas a entender que as atividades que desenvolvem, por mais simples que sejam, podem oferecer riscos. Já na parte prática, os profissionais são treinados a interagir de forma amistosa com os colegas, levando-os a refletir sobre o risco do ambiente e a desenvolver a atividade de forma mais segura.