Petrobras perde R$ 13 milhões por dia com suspensão da alta do diesel

Valor Econômico

A suspensão do reajuste de 5,7% nos preços do diesel custará cerca de R$ 13 milhões por
dia para a Petrobras. A estimativa é da Associação Brasileira dos Importadores de
Combustíveis (Abicom), considerando a defasagem dos preços das refinarias em relação à
paridade internacional.
O número considera os R$ 0,12 por litro que a petroleira deixou de reajustar e o volume
médio de vendas da empresa. Mensalmente, a perda potencial, de acordo com a
associação, é de R$ 400 milhões, caso a estatal não reajuste seus preços no período de 30
dias.
Os valores, contudo, não levam em consideração, por exemplo, os impactos dos
mecanismos de proteção (hedge) que a Petrobras utiliza para manter os reajustes mais
espaçados.
O presidente da Abicom, Sérgio Araújo, disse que a Petrobras já vem trabalhando com a
defasagem de preços, em relação ao mercado internacional, há algumas semanas. E
destaca que a defasagem vem prejudicando a atuação das importadoras.
Segundo a Abicom, em março, as importadoras associadas trouxeram, para o Brasil, 84
mil metros cúbicos de diesel e gasolina, o que representa uma queda de 60% em relação a
fevereiro. O volume importado no mês passado é sete vezes menor que o de março de
2018.
“A sensação é que, em abril, não será muito diferente [de março]”, disse Araújo.
No primeiro trimestre, a importação das associadas da Abicom ficou 73% menor no
primeiro trimestre, em relação a igual período do ano passado.