“Expectativa do mercado internacional é boi mais jovem”, afirma analista do Rabobank

logo-giro-do-boi

O mundo vai precisar, dentro dos próximos dez anos, de “um Brasil a mais” no que diz respeito à produção de carne bovina, afirmou em entrevista concedida ao Giro do Boi desta terça, 16, o analista sênior do Rabobank, Adolfo Fontes. “Só de carne bovina o mundo vai precisar dentro dos próximos dez anos […] algo em torno de dez milhões de toneladas. Ou seja, um Brasil a mais em termos de carne bovina vai ser necessário para atender o consumidor internacional”, detalhou.

Fontes complementou a informação ponderando que apesar de a carne bovina se configurar no mercado como uma commodity, os produtores que desejarem suprir a demanda deverão contar com diferenciais para ganhar a preferência. “O brasileiro tem essa característica de tentar agradar o seu cliente, tanto no mercado doméstico quanto no mercado internacional. Hoje a expectativa do mercado internacional é um boi mais jovem, um boi de qualidade. Por mais que a gente esteja competindo no mercado de commodity, a gente tem que estar preparado para ter um animal diferenciado para poder competir em mercados bastante exigentes, por exemplo, como a China, que demanda cada vez mais carne do Brasil”, explicou.

Para o analista, o Brasil está bem posicionado para atender este mercado por conta dos avanços de produtividade de sua pecuária de corte. “A gente tem que mostrar pro mundo que a gente está crescendo na produção de carne bovina reduzindo a área de pastagem, melhorando a intensificação da pastagem que a gente tem hoje. A nutrição, a genética nossa estão passando por processos de melhoria muito forte de qualidade. Eu acho que é exatamente isso, mostrar para o mundo melhor aquilo que a gente já faz será um grande passo”, indicou.