Mais da metade da indústria usa só recurso próprio em pesquisa, diz CNI

GaúchaZH

A maior parte das indústrias brasileiras tem usado apenas recursos próprios para investir em pesquisa e desenvolvimento.

Segundo levantamento feito pela CNI (confederação nacional do setor) com cem presidentes de indústrias, essa é a situação de 55% das companhias.

O percentual é maior do que o observado pela entidade em 2015, quando 40% das empresas afirmaram usar somente o próprio caixa.

Naquele ano, 55% das empresas dependiam de uma combinação de fontes para inovar (incluindo capital próprio, privado e público). Agora, as que apontam essa situação são 40%.

Gianna Sagazio, diretora de Inovação da CNI, relaciona o maior uso de capital próprio à redução nas fontes públicas disponíveis em razão da crise econômica e fiscal do país.

Neste cenário, iniciativas que apoiam à inovação, como o FNDCT (Fundo Nacional para o Desenvolvimento Científico e Tecnológico), que oferece recursos não-reembolsáveis para projetos inovadores e é gerido pela Finep, tiveram a maior parte de seus recursos contingenciados.

O próprio Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, ao qual a Finep é subordinada, sofreu contingenciamento de mais de 42%, restando à pasta R$ 2,9 bilhões para custeio e investimento em 2019.

Na avaliação de Sagazio, o país deveria tomar caminho inverso e aumentar os dispêndios no desenvolvimento tecnológico: “Se não considerarmos essa a grande saída do país, vai ser difícil superar a crise”.

Ela diz que o apoio do estado é importante na inovação por esse ser um processo difícil e de longo prazo.

Os maiores entraves apontados pelos empresários que usam só dinheiro próprio para inovar são a dificuldade e o custo do capital (17%) e a falta de recursos para pesquisa e desenvolvimento (15%).

Apesar da escassez de fontes de investimento, a inovação tem entrado na agenda de mais companhias.

Segundo a pesquisa da CNI, o percentual de empresas que preveem aumentar ou aumentar muito o volume de recursos destinados à inovação nos próximos cinco anos avançou de 57% para 66% entre 2015 e 2019.

Sagazio afirma que o maior interesse pelo tema reflete o papel cada vez mais decisivo que a tecnologia vem assumindo para a competitividade das empresas.

“Fala-se muito de indústria 4.0, manufatura avançada, inteligência artificial. A empresa que não se engajar nesse movimento vai ficar de fora do mercado.”

A pesquisa seria divulgada no Congresso de Inovação da Indústria Brasileira, que a CNI realiza nos dias 10 e 11 em São Paulo.

A reportagem procurou o MCTIC, mas não houve retorno até a conclusão desta reportagem. Em maio, a pasta havia dito que tem atuado junto ao Ministério da Economia para maior disponibilização de recursos e que mantém permanente diálogo com os gestores de suas entidades vinculadas para que os recursos sejam otimizados, minimizando o impacto de contingenciamentos em suas atividades.