Preparando-se para a venda

Jornal do Commercio

JC NegÓcios

A diretora de refino e gás natural da Petrobras, Anelise Lara, previu, ontem, no Recife, que a venda da Refinaria Abreu e Lima deverá ser finalizada em 2021, tempo estimado para a tramitação do processo de desinvestimento, que inclui avaliações da companhia e dos possíveis interessados no empreendimento.

Ainda não há um preço-base para o negócio, que deve exigir avaliação dos ativos componentes do Trem 1 e os investimentos já feitos no Trem 2, que terão que ser avaliados pelos dois lados. Lara revelou que a companhia estima em 70% o percentual do parque de máquinas existente no sítio industrial de Suape. Ela admitiu que, pelo tempo de paralisação da obras, algumas terão que ser até mesmo substituídas.

Lara reuniu-se com os empregados da companhia para uma exposição sobre a decisão de venda da planta e o que ela vai oferecer aos empregados dentro do Plano de Desligamento desenhado para funcionários próximos à aposentadoria. Entretanto, admitiu que, devido ao perfil de pessoal da Rnest, haverá interesse dos futuros proprietários em permanecer com eles, devido ao alto grau de treinamento que receberam e especificidade desse conhecimento. A Petrobras também tem interesse neles para relocações em outras unidades de refino. O perfil dos técnicos da Rnest revela uma maioria com graduação universitária e constituída essencialmente de jovens.