Se não facilitarmos a vida de quem produz não vai ter emprego, diz Bolsonaro

Poder 360

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta 5ª feira (11.jul.2019) que se o governo não facilitar “a vida de quem produz não vai ter emprego” no país. Ele disse que o Brasil é “1 país não só com problemas morais e éticos, mas problemas gravíssimos e econômicos” e que precisa não só da reforma da Previdência, mas de “ajudar quem quer produzir”.

“Tudo passa pela reforma da Previdência, pela questão de ajudar quem quer produzir. Hoje eu falei na imprensa, vai dar o que falar amanhã: ‘O pessoal quer emprego, eu também quero’. Quando o governo dá emprego pra alguém? Quando cria cargo em comissão ou abre concurso. Fora isso, quem dá emprego é quem está na ponta da linha: o empresário, o agricultor, o dono da padaria…”, disse.

“E nós temos que tirar o Estado de cima desses caras. E eu falei pra imprensa, eu queria que todo mundo fosse patrão no Brasil. Agora, quando o empregado ver que ser patrão também não é fácil, não é que ele dá razão ao patrão, mas é que ele começa a entender a situação. Se nós não facilitarmos a vida de quem produz não vai ter emprego. E nós queremos realmente que o Brasil dê certo, não teremos outra oportunidade de mudar o Brasil com essa equipe maravilhosa de pessoas que nós temos do nosso lado”, completou.

As declarações de Bolsonaro foram feitas em live no Facebook, ao lado dos ministros Osmar Terra (Cidadania) e Ernesto Araújo (Relações Exteriores); do deputado Jerônimo Goergen (PP-RS); do secretário especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital do Ministério da Economia, Paulo Uebel; além de uma intérprete de Libras. A senadora Soraya Thronicke (PSL-SP) apareceu na live por poucos minutos.

Bolsonaro defendeu a importância da MP da Liberdade Econômica. Jerônimo Goergen (PP-RS), relator da Medida Provisória 881/2019, que institui a Declaração de Direitos de Liberdade Econômica, disse que o texto visa desburocratizar a vida do micro e médio empreendedor.  Segundo ele, também obriga aos órgãos a terem 1 prazo para responder sobre pedidos de alvará, entre outras medidas. Seu parecer foi aprovado nesta 5ª feira (11.jul.2019) na comissão mista e vai a ao plenário do Senado.

O secretário especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital do Ministério da Economia, Paulo Uebel, disse que 1 estudo sobre o impacto da medida mostra que serão criados 3,7 milhões de empregos em 10 anos e o impacto no PIB pode chegar a até 7%.

“Ela está simplificando a abertura e fechamento de empresas no Brasil. Nós vamos conseguir abrir e fechar empresas no Brasil em menos de 2 dias”, disse.

Assista à íntegra da live do presidente Jair Bolsonaro:

PREVIDÊNCIA: ‘EU NÃO POSSO FAZER NADA SOZINHO’

O presidente ainda cumprimentou o Congresso pela aprovação da reforma da Previdência em 1º turno. Segundo ele, nem o Executivo nem o Legislativo conseguem fazer “nada sozinho”.

“Cumprimento aí a grande maioria dos deputados e senadores que têm colaborado nesse sentido. Eu não posso fazer nada sozinho e nem o parlamento fazer nada sozinho. Nós temos que fazer juntos. E eu acredito que com essa união, com a grande sinalização que tivemos com essa votação [da reforma da Previdência] no dia de ontem, realmente a gente consiga destravar o Brasil e bote a roda da economia pra frente, pra rodar na prática”, disse.

O presidente também falou sobre a importância da reforma: “A questão da reforma da Previdência, se não fizer isso, não vai ter brevemente como pagar quem está na ativa e também quem está aposentado, vai ser 1 caos no Brasil. Precisamos dessa nova Previdência para atingir nossos objetivos e com ela, eu tenho certeza, vem mais emprego”.

MEDIDAS CONTRA IDEOLOGIA DE GÊNERO

O ministro Ernesto Araújo (Relações Exteriores) falou sobre disputa do Brasil à reeleição no Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas (CDH), para o triênio de 2020 a 2022. As eleições acontecem em outubro e há duas vagas para países sul-americanos.

Segundo Bolsonaro, a bandeira do Brasil na disputa visa a “abortar de vez a questão da ideologia de gênero”.

“Nós temos a bandeira de defender os valores da família dentro do conceito de direitos humanos, que devem ser defendidos, que são os verdadeiros direitos humanos, e também o direito de liberdade, liberdade de expressão, e também né, os valores da família, da igualdade entre homens e mulheres, os direitos da mulher. O que nós também estamos sendo contra é ao que a gente chama de ideologia de gênero, que é uma deturpação do conceito de gênero”, disse Ernesto Araújo.

Segundo o ministro, a ideologia de gênero é “como se fosse uma negação da natureza humana, da própria identidade das pessoas”. 

“A ideologia de gênero é 1 ninho de ratos ideológicos. Na corrupção, você tem 1 ninho de ratos ideológicos. É uma coisa que tem que tocar fogo porque isso causa danos dentro da saúde da família”, disse, ao citar como exemplo caso de 1 menino que foi morto e 1 ano antes teve órgão genital decepado pela própria mãe.

Após o ministro citar o caso, Bolsonaro voltou a lamentar que “infelizmente não existe prisão perpétua no Brasil”“Tem que mofar na cadeia essas duas”, disse

O Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas é formado por 47 membros, que cumprem mandatos de 3 anos, com limite de uma reeleição. Em outubro de 2016, Brasil e Cuba foram escolhidos para o período entre 2017 e 2019.

MUDANÇAS NO PASSAPORTE: ‘PAI E MÃE’

Ernesto Araújo apresentou mudanças na capa do passaporte brasileiro, que voltará a ter o brasão da República. Segundo ele, a nova versão já começou a ser emitida no Brasil e no exterior passará a ser usada em cerca de 2 meses, quando acabar o estoque da versão anterior.

Bolsonaro ressaltou que também houve uma mudança na ficha de pedido de passaporte, que antes tinha 2 espaços para preenchimento: “filiação 1 e filiação 2”. Agora, segundo o ministro, será “pai e mãe”.

“Pai e mãe, é simples. Todo mundo… Você nasceu do ventre de um homem ou de uma mulher? Todo mundo nasceu do ventre de uma mulher, acaba com esse negócio de filiação”, disse Bolsonaro.

EMENDAS PARLAMENTARES

Bolsonaro negou que tenha comprado deputados para receber apoio na aprovação da reforma da Previdência por meio da liberação de emendas parlamentares. Nessa 4ª feira (10.jul.2019), o governo federal liberou mais de R$ 177,9 milhões em emendas parlamentares voltadas à área de saúde.

FISCALIZAÇÃO DE BENEFÍCIOS SOCIAIS

O ministro Osmar Terra (Cidadania) afirmou que o ministério fará 1 maior controle para saber se os recursos do Bolsa Família e do BPC (Benefício de Prestação Continuada) estão “realmente indo para quem precisa”. Segundo ele, este ano o Bolsa Família terá 1 custo de R$ 32 bilhões.

Para melhor transparência, o ministro disse que no Portal da Transparência as pessoas poderão verificar quanto o governo destinará para os gastos com os benefícios por mês.

Bolsonaro reforçou que este ano pagará o 13º do Bolsa Família. “A gente vai pagar o 13º não é criando mais despesa, é combatendo a fraude”, disse.

EDUARDO BOLSONARO EM EMBAIXADA

O presidente Jair Bolsonaro reafirmou que cogita nomear seu filho, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), para ser o embaixador do Brasil nos Estados Unidos. “Embaixador inteligente, esse”, disse sorrindo.

“O meu filho Eduardo fala inglês, fala espanhol, há muito tempo roda o mundo todo, goza da amizade dos filhos do presidente Donald Trump, o qual eu torço para ser reeleito o ano que vem, assim como eu torço para que o Macri seja reeleito na Argentina. Existe a possibilidade, mas depende do garoto. Só que ele tem que renunciar ao mandato, se não me engano, e passar pelo Senado obviamente também”, disse.