Vale quer elevar produção enquanto vírus abala demanda na China

Money Times

Após um ano difícil, a Vale (VALE3), maior mineradora de ferro do mundo, deve recuperar a produção neste ano e reforçar a oferta global, justo quando o surto de coronavírus na China afeta as perspectivas para a demanda.

A Vale deve produzir cerca de 349,4 milhões de toneladas este ano, que incluem compras de terceiros e insumos para usinas de pelotização, segundo projeções compiladas pela Bloomberg.

O volume se compara a 311,1 milhões de toneladas estimadas para 2019. A Vale divulga relatório de produção nesta terça-feira com os volumes de 2019.

A produção foi prejudicada no ano passado depois que o rompimento da barragem de Brumadinho, em janeiro de 2019, obrigou a empresa a suspender operações que respondiam por quase 25% da produção prevista.

Enquanto se recupera lentamente, a Vale agora enfrenta novos desafios diante da crise de saúde na China, que matou centenas e abalou o cenário para o principal ingrediente usado na fabricação de aço no maior cliente do mundo.

“Existem montadoras paradas, unidades manufatureiras, e há uma reação em cadeia”, disse Thiago Lofiego, analista do Bradesco BBI, em entrevista por telefone. “Os preços do aço caíram na China, o que é um indicador negativo. Isso se refletiu nos preços do minério de ferro.”

Os embarques de minério de ferro da Vale podem ser pressionados pelo volume de chuvas acima do normal para esta época do ano no país. Em janeiro, tempestades e inundações deixaram mais de 50 mortos em Minas Gerais.

“O primeiro trimestre é sazonalmente mais difícil devido às chuvas”, disse Lofiego. “Em um período de aceleração da produção, pode ser especialmente desafiador.”

Mas “uma coisa pode balancear a outra”, afirmou, referindo-se à menor oferta no primeiro trimestre por causa do clima instável tanto no Brasil quanto na Austrália e o impacto do coronavírus na China.

Em dezembro, a Vale disse que esperava produzir entre 340 milhões e 355 milhões de toneladas em 2020 e atingir produção anual de até 400 milhões a partir de 2022.

A Vale estimava produção e vendas entre 68 milhões e 73 milhões de toneladas no primeiro trimestre de 2020. Mas fatores relacionados ao clima podem obrigar a empresa a revisar a meta de produção para 2020 de até 355 milhões de toneladas, segundo a equipe de analistas do UBS liderada por Andreas Bokkenheuser.

“Avaliamos que o topo da estimativa corre risco de ser revisado, possivelmente no início deste mês, devido ao excesso de chuvas”, disse Bokkenheuser em nota de 5 de fevereiro.

O UBS estima que os embarques totalizaram 303 milhões de toneladas em 2019, um pouco abaixo da faixa inferior do guidance da mineradora, de 307 milhões de toneladas em 2019. Os dados não incluem possíveis quedas de estoque na Ásia e no Oriente Médio que poderiam permitir à Vale atingir a meta de vendas para o ano de 2019, disse o UBS.

A Vale tem guidance de vendas de minério de ferro e pelotas de 83 milhões a 88 milhões de toneladas no quarto trimestre. No terceiro trimestre, o volume somou 85,1 milhões.

Antes do desastre da barragem interromper as operações da Vale no ano passado, a produção em 2019 era estimada em 400 milhões de toneladas.