Mandetta defende discurso de Bolsonaro e diz que quarentena precisa de prazo

Poder 360

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, classificou nesta 4ª feira (25.mar.2020) como “precipitadas” as restrições mais rígidas de alguns Estados para conter a dispersão da covid-19. Ele defende que medidas intermediárias sejam aplicadas “antes de adotar o fecha-tudo.”

Na avaliação de Mandetta, a quarentena está sendo decretada em cascata “como se nós estivéssemos todos em franca epidemia”. O ministro também defende que o isolamento tenha 1 prazo determinado, sob risco de se tornar “uma parede” às necessidades da população.

A quarentena é 1 remédio extremamente amargo, extremamente duro. Antes de adotar o fecha-tudo, existe a possibilidade de trabalhar por bairro, a possibilidade de se fazer a redução da mobilidade urbana. Nós saímos praticamente do início dos números para o efeito cascata de decretação de lock down como se nós estivéssemos todos em franca epidemia“, disse.

As colocações de Mandetta concordam com o pronunciamento do presidente Bolsonaro em rede nacional de rádio e TV na última 3ª (24.mar). Na ocasião, Bolsonaro pediu a autoridades que “abandonem o conceito de terra arrasada” e criticou o fechamento de comércios, escolas e o “confinamento em massa”.

O ministro ecoou a posição do presidente nesta 4ª feira (25.mar). “As questões econômicas são importantíssimas e fizeram parte da linha da fala do presidente, onde ele coloca que, se não tivermos 1 cuidado com as questões econômicas essa onda de dificuldade que a saúde vai trazer virá uma onda de dificuldade maior ainda em relação à crise econômica“, disse. “Nós da saúde não podemos ser insensíveis”, acrescentou.

Para Mandetta, a quarentena deve ser adotada “de forma organizada”. Ele propôs aos governadores a elaboração conjunta de 1 plano nacional. As restrições seriam adotadas de acordo com o número de casos confirmados em cada unidade federativa –cujas características de clima e de tamanho da população variam, ressaltou o ministro.

ISOLAMENTO VERTICAL

Bolsonaro defendeu que apenas idosos e pessoas em grupos de risco fiquem em quarentena –o chamado isolamento vertical– e pediu que o ministério avalie a possibilidade.

O secretário-executivo da Saúde, João Gabbardo, afirmou que a pasta estuda já estudava a possibilidade mas que, até que haja uma conclusão sobre o tema, as recomendações não se alteram: evitar aglomerações e isolamento para pessoas com sintomas (e seus familiares) e pessoas com mais de 60 anos.

PEDIDO DE DEMISSÃO ESTÁ DESCARTADO

Mandetta negou a possibilidade de pedir demissão e disse que trabalhará “ao máximo” durante a crise.Ele só deixaria o cargo por algum motivo de saúde, uma decisão de Bolsonaro ou quando “esse período todo de turbulência já tenha passado.”

Eis a íntegra da declaração do ministro sobre o assunto:

“Eu vou deixar muito claro: eu saio daqui na hora que acharem que eu não devo trabalhar, que o presidente achar, porque foi ele que me nomeou. Ou se eu [eu] estiver doente, o que é possível, eu ter uma doença. Ou no momento que eu achar que esse período todo de turbulência já tenha passado e que eu possa não ser mais útil. Nesse momento de crise agora, eu vou trabalhar ao máximo.”

COVID-19 NO BRASIL

Até o momento, o Brasil já confirmou ao menos 2.433 casos de covid-19, com 57 mortes em 4 regiões (à exceção do Centro-Oeste). Os números foram atualizados na tarde desta 4ª feira (25.mar.2020) pelo Ministério da Saúde.

O secretário-executivo da Saúde, João Gabbardo, afirma que a progressão de casos está abaixo do projetado pelo ministério. A pasta esperava 1 crescimento diário de 33% nos diagnósticos e, de acordo com Gabbardo, ficou abaixo de 25% nos últimos 3 dias.

Eis a evolução dos números do coronavírus no Brasil: