Brasil tem 2.433 casos confirmados e 57 mortes por covid-19

Poder 360

O Ministério da Saúde atualizou os números de covid-19 no Brasil nesta 4ª feira (25.mar.2020): são ao menos 2.433 casos confirmados e 57 mortes. No dia anterior, eram 2.271 casos e 46 mortes. O 1º óbito fora do Sudeste foi registrado no fim da noite dessa 3ª feira (24.mar).

Os Estados de Amazonas, Pernambuco e Rio Grande do Sul registraram uma morte cada 1 nas últimas 24 horas. Os demais óbitos registrados até aqui ocorreram nos Estados do Rio de Janeiro (6) e São Paulo (48). Com isso, o Centro-Oeste é no momento a única região do Brasil sem registro de mortes por covid-19.

A progressão de casos está abaixo do crescimento de 33% por dia projetado pelo ministério. Nos últimos 3 dias, a porcentagem ficou abaixo de 25%, de acordo com a pasta.

Observe a evolução de casos e mortes causadas pelo coronavírus no Brasil:

Os números, de acordo com o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, estão dentro do esperado para o mês. Ele anunciou o repasse de R$ 600 milhões para os Estados e municípios combaterem o avanço da doença.

A divisão das verbas se dará de acordo com a população de cada unidade federativa. Os governadores devem respeitar o limite mínimo de R$ 2,00 e máximo de R$ 5,00 por habitante para calcular quanto será destinado para cada município.

CLOROQUINA

O secretário de Ciências, Tecnologia e Assuntos Estratégicos da Saúde, Denizar Vianna, classificou a cloroquina como 1 medicamento “muito promissor” no tratamento de covid-19, mas a pasta reconhece que os estudos ainda são muito preliminares.

O ministério adotou 1 protocolo rígido para administrar a substância: apenas para pacientes internados em estado grave, e por 1 período máximo de 5 dias. À longo prazo, a cloroquina pode causar arritmia, problemas na visão e outros efeitos colaterais.

Vianna fez 1 apelo à população para que não use o medicamento sem orientação médica. “Não é seguro. Esse medicamento não está indicado para prevenção de covid-19 nem para as formas leves da doença fora do ambiente hospitalar” alertou o secretário.

Ele atribui os casos de envenenamento ao uso indiscriminado da cloroquina, “o que aconteceria com qualquer tipo de medicamento.” A substância é usada no tratamento de malária.

Nesta semana, o presidente Bolsonaro pediu que o Exército brasileiro aumente a produção de cloroquina como medida de enfrentamento à covid-19.

EQUIPAMENTOS

O secretário-executivo da Saúde, João Gabbardo, informou que o ministério adquiriu 40 milhões de máscaras, das quais 2 milhões já foram entregues ao sistema de saúde e outras 8 milhões estão em distribuição por meio aéreo e terrestre. Mais 240 milhões de máscaras estão em processo de aquisição.

Mandetta afirmou que a alocação será feita de acordo com a necessidade de cada localidade. Ele se queixou da dificuldade de distribuir insumos devido a limitação nos voos comerciais.

As regiões Norte e Nordeste são as mais afetadas pelas restrições, de acordo Gabbardo. Ele acrescenta que “essa questão dos voos tem sido muito prejudicial para todos nós da saúde.”

Gabbardo também informou que o Sistema Único de Saúde possui atualmente de 12.000 a 13.000 leitos de UTI disponíveis.

Na 5ª feira (26.mar), o Ministério deve detalhar a contabilidade da operação com os custos e destinação dos equipamentos.

Eis os detalhes sobre a covid-19 por Estado e Região: