Bolsonaro diz que ‘2ª onda’ do coronavírus já chegou e alerta para desemprego

Poder 360

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta 5ª feira (26.mar.2020) que, com a economia parada por conta da epidemia de coronavírus no Brasil, empresários lhe disseram que deve haver uma onda de demissões a partir da próxima semana.

“O pânico é uma doença. O que vem com isso: a fome, o desespero. A 2ª onda já chegou. […] Falei há 2 dias e fui massacrado pela mídia”, disse o presidente em entrevista a jornalistas no Palácio da Alvorada.

Bolsonaro disparou novamente contra alguns governadores e prefeitos que, segundo ele, exageraram nas medidas de quarentena. “Estou vendo governadores recuarem da quarentena, abrir comércio. (…) Foram 3.000 casas lotéricas fechadas por decreto. É 1 absurdo!”, disse o presidente, que assinou 1 decreto autorizando a reaberturas das lotéricas.

O presidente informou, ainda, que discutiu nesta 5ª feira medidas de auxílio financeiro para o grupo. O governo estuda pagar parte dos salários para que não haja demissões.

Questionado se o Brasil não chegará à situação dos Estados Unidos, que soma mais de 80 mil infectados e mais de 1.000 mortos em razão da pandemia, o mandatário respondeu que muitos brasileiros já foram infectados e adquiriram anticorpos, o que, afirmou, “ajuda a não proliferar isso daí”.

“Eu acho que não vai chegar a esse ponto. Até porque o brasileiro tem que ser estudado. Ele não pega nada. Você vê o cara pulando em esgoto ali, sai, mergulha, tá certo? E não acontece nada com ele”, brincou.

Em relação aos 2 testes de coronavírus aos quais se submeteu, Bolsonaro afirmou que ambos deram negativo, mas não quis divulgar os exames. “Para que você quer saber? Dorme comigo?” retrucou a 1 jornalista.