Pandemia encolhe volumes de comércio em portos globais

Valor Econômico

O choque mais repentino e de maior impacto para a economia global em ao menos uma geração é sentido em portos e outros centros de comércio internacional em meio à batalha da Europa e Estados Unidos para conter a pandemia de coronavírus.

Nem crises modernas como a Grande Recessão, os ataques de 11 de setembro e a crise do petróleo de 1973 limitaram os fluxos comerciais com a rapidez e a força da covid-19.

E nem mesmo a Segunda Guerra Mundial provocou o nocaute econômico que paralisa as cadeias de suprimentos globais e quase silencia as cidades mais movimentadas do mundo desenvolvido, onde consumidores estão em casa e empresas fechadas.Publicidade

“Isso pode ser visto como um cenário de guerra sem a destruição de ativos físicos”, disse o economista-chefe da Organização Mundial do Comércio, Robert Koopman, em entrevista à Bloomberg por telefone.

Os dados de alguns dos portos mais movimentados do mundo, que já mostravam tráfego de cargas reduzido com a economia da China fechada nos últimos dois meses, mostram a imagem preocupante de um colapso que muitos economistas acreditam irá persistir ao longo do primeiro semestre.

Os volumes de importação e exportação dos EUA desaceleraram nas semanas anteriores aos bloqueios de cidades do país, de acordo com dados da IHS Markit compilados pela Bloomberg. As exportações dos EUA foram particularmente afetadas, e esses números devem ser acompanhados de perto nos próximos dias para dimensionar a gravidade da crise.

O Porto de Xangai, o maior do mundo, registrou queda de 20% da movimentação de contêineres em fevereiro na comparação anual, de acordo com o Departamento Municipal de Estatísticas de Xangai. No mês passado, o volume de cargas no Porto de Long Beach caiu 9,8% em relação ao mesmo período do ano passado, e movimentação total de contêineres no Porto de Hong Kong mostrou baixa de 11% na taxa acumulada.

“Vemos um declínio muito acentuado e sem precedentes do comércio, principalmente por causa da velocidade com que está acontecendo”, disse Phil Levy, ex-economista da Casa Branca, em entrevista por telefone.

“Se já começamos a nos equiparar aos números da Grande Recessão, isso significa que estamos a caminho de números excepcionais”, disse Levy, agora economista-chefe da empresa de logística de frete Flexport.

Poucas economias foram poupadas do impacto do vírus, especialmente as da Europa, atualmente o epicentro da pandemia.

O maior porto marítimo da Europa, em Roterdã, registrou queda “significativa” dos volumes de movimentação de todos os fluxos de carga nos últimos três meses, disse Leon Willems, porta-voz do Porto de Roterdã.

“A pandemia tem interrompido as cadeias de produção e logística em nível global”, disse Willems por e-mail. “Há uma probabilidade realista de que o volume de movimentação para 2020 seja significativamente menor do que nos últimos dois anos.”

Até a China, que se recupera lentamente depois dos primeiros casos de coronavírus surgidos em dezembro, ainda enfrenta problemas para reiniciar as cadeias de suprimentos paralisadas.